segunda-feira, 14 de julho de 2008

Os meus amigos

Os meus amigos

No sossego do meu canto, que me encanta,
O desassossego da ausência que teima em dominar-me!
Solto-me, liberto-me, desço ao meu refúgio de eleição!
E aí, perante a imensidão do mar,
Enfrento a minha pequenez!
Olho o céu, de um azul sem par, reflectido nas águas,
E enfrento a distância!
Quero caminhar, com rumo!
Mas o mar, meu confidente, assusta-me,
O céu, com a sua beleza, intimida-me!
O esforço cansa-me.
Procuro, luto, com persistência!
Traço um rumo e intensifico a vontade,
Aproveito as vagas que beijam a areia
E deixando-me envolver, balanço-me,
Suavemente!
Sonhando que perto,
Na crista mais discreta
Alguém me espera.
Estendo os braços e agarro o céu
Que ao abraçar as ondas
Me envolve no seu abraço!
Reafirmo a minha pequenez,
E aninho-me frágil, timidamente,
Naquele abraço!
A força chega, a determinação,
Um forte querer de um dia a dia, pleno, intenso!
E acredito, que perto ou longe, me encontrarei!
E serei eu, a mulher que nasceu para ser feliz!
Forte, corajosa, determinada a enfrentar medos e nãos!
E assim enfrentarei o mundo,
E não estarei só!
A meu lado estarás tu e tu e tu,
Estarão aqueles que comigo fazem este percurso,
Os meus Amigos!

Clementina
Caparide, 25-05-2008

1 comentário:

Ley disse...

Nota-se a força da autora apoiada no valor da amizade. Sem dúvida que os amigos constituem um grande suporte e preenchem a vida das pessoas
Ley